Pages

terça-feira, 27 de maio de 2014

No Roda Viva, Campos se diferencia de Aécio, de Marina e se esquiva de Lula

Ex-governador também voltou a criticar a política-econômica do Governo Dilma (Foto: Reprodução)
Entrevistado na noite desta segunda-feira (26) no programa Roda Viva, da TV Cultura, o ex-governador e presidenciável Eduardo Campos (PSB) buscou se diferenciar do tucano Aécio Neves e de sua própria vice, Marina Silva (PSB). O pernambucano ressaltou que suas divergências em relação ao senador são marcantes, destacando a estada em campos políticos opostos durante os últimos anos, e, apesar de frisar que possui afinidades significativas com a sua correligionária, pontuou que eles possuem diferenças explícitas.  Campos citou a sua militância no chamado desenvolvimentismo e a de Marina no ambientalismo como exemplo.
Entretanto, ao ser questionado sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-governador de Pernambuco preferiu se esquivar. Eduardo evitou direcionar críticas ao líder maior do PT e não respondeu ao ser questionado se será candidato caso o petista substitua a presidente Dilma Rousseff na corrida sucessória nacional.  ”Ele já disse que não será candidato”, destacou. A jornalista Dora Kramer chegou a dizer que o ex-governador foge do “assunto Lula”.
2º TURNO
A possibilidade de ficar fora do segundo turno presidencial não entra na pauta do ex-governador Eduardo Campos. Na entrevista ao time de jornalistas do Roda Viva, o socialista afirmou que não possui pacto algum de apoio com nenhuma candidato. “Não sou  estou disputando o segundo lugar. Estou disputando o primeiro lugar no primeiro turno”, assinalou.
AGRONEGÓCIO
Instado a responder como será a sua relação com o agronegócio, Eduardo exaltou os resultados que o setor exibe no País nos últimos anos, porém, procurou buscando uma aproximação com a sustentabilidade. Campos destacou que, para exportar, os grandes produtores terão que atender requisitos que dialogam diretamente com a responsabilidade ambiental.
SEGURANÇA
O ex-governador Eduardo Campos acusou o Governo Federal de ser omisso na questão da segurança pública. O socialista afirmou que a responsabilidade tem ficado apenas na conta dos estados, destacando que, em Pernambuco, ele obteve resultados positivos no enfrentamento, principalmente, ao alto número de homicídios.  ”O governo não quer entrar nesse tema”, sentenciou.
PSDB
Eduardo afirmou no Roda Viva que os tucanos, incluindo o seu presidenciável Aécio Neves, tem dificuldade de reconhecer avanços conquistados durante os governos do ex-presidente Lula. Disse também que ele, inclusive, tiveram a mesma dificuldade de reconhecer os avanços dos governos FHC, numa alusão a campanha do ex-governador José Serra (PSDB), que não citava o correligionário em sua propaganda eleitoral.
MEDO x TERRORISMO
Na esteira do programa partidário do PT que apresentou uma preocupação, simbolizada pelo medo, de que as conquistas sociais dos últimos anos fosse enterradas com a provável vitória de nomes da oposição na eleição presencial, Campos rememorou que foram justamente os tucanos que utilizavam esse tipo de discurso. O socialista, no entanto, bateu na estratégia classificando-a como terrorismo.  ”A população já tem medo demais”, pontuou.
BEM-ESTAR
Eduardo frisou que as manifestações violentas que foram registradas nas ruas do País podem ser reflexo da insatisfação que a população apresenta com o atual governo. Campos destacou que episódios de corrupção, aliado a uma provável sensação de diminuição da sensação de bem-estar, por conta dos problemas relacionados à economia, alimentam reações bruscas e violentas de quem se vê à margem dos ganhos do País.
Fonte : Blog da Folha de PE.

0 comentários:

Postar um comentário