Pages

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Reajuste do mínimo custará às prefeituras mais de 3 bilhões

Paulo Ziulkoski - foto Agência Brasil
O presidente da Confederação Nacional dos Municípios,Paulo Ziulkoski, disse nesta quarta-feira (30) que o reajuste de 11,67% no valor do salário mínimo que passa para R$ 880 a partir da próxima sexta-feira, terá um impacto de mais de R$ 3 bilhões nos cofres das prefeituras.
Segundo ele, se se juntar a isto o reajuste do piso nacional dos professores “dá mais que um petrolão, mas ninguém olha”.
“Na hora de aumentar o salário mínimo, dar aumento para o professor, todo mundo quer e é justo querer valorizar, mas tem que ver como o prefeito vai pagar”, disse Ziulkoski.
Para fazer face a essas despesas, ele defende a recriação da CPMF nos seguintes termos: da alíquota de 0,38% prevista, 0,09 ponto seria destinado aos cofres municipais, o que representaria uma receita extra de R$ 16 bilhões.
“Se cada prefeito atuar, trabalhar com seus deputados, até os parlamentares de oposição vão votar pela CPMF. Nas conversas, o que eu tenho encontrado é que todos os prefeitos vão trabalhar fortemente pela aprovação, independentemente de partido”, garantiu.
Levantamento feito pela CNM calcula que 43% dos municípios brasileiros deverão fechar suas contas de 2015 no vermelho.
Fonte :Blog de Inaldo Sampaio.