Pages

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Telexfree denunciada como pirâmide nos EUA




O órgão oficial do Estado americano de Massachusetts que fiscaliza o setor financeiro expôs nesta terça (15) as entranhas da Telexfree. Em um documento de 46 páginas, a SEC de Massachusetts acusa a empresa de ser uma pirâmide que, através de um esquema fraudulento, movimentou US$ 1,2 bilhão no mundo (mais de R$ 2,6 bilhões). O órgão pede o fechamento da empresa, devolução do dinheiro e multa, sem que isso impeça outras consequências, como investigações criminais. Após a divulgação da SEC, o site da Telexfree saiu do ar e até a noite tinha avisava que voltaria “em aproximadamente duas horas”.

A própria SEC, na divisão de audiências, vai julgar o pedido. Normalmente ela segue as acusações administrativas.

No documento, o secretário de Estado de Massachusetts, William Galvin, um dia após a Telexfree anunciar ter pedido recuperação judicial nos EUA, pela Lei de Falências americana, revelou que a empresa já tinha dificuldade de honrar pagamentos, por isso mudou seu plano de remuneração mês passado e depois pediu recuperação. “A Telexfree causou e continua a causar grandes danos” a uma população “atraída pela falsa promessa de ficar rico depressa”, escreveu, pela SEC.

Em um dos pontos, ele mostra que o esquema não dependia de vendas reais de pacotes de ligações telefônicas pela internet, o VoIP, só 20% do faturamento total. É o mesmo que concluiu o Ministério Público do Acre, ao pedir e obter na Justiça brasileira o bloqueio da Telexfree, em 18 de junho passado: a empresa só pagava quem já investiu com dinheiro de novos participantes.

A autoridade americana aponta descontrole e contradições da Telexfree, como a estrutura mínima de pessoal: sete pessoas fariam o atendimento a “centenas de milhares de supostos usuários do serviço VoIP.” Em outro ponto, a SEC revela que bancos e operadoras de cartão crédito cortaram relações com a empresa com medo da “batata quente”.

A SEC ressalta o envolvimento do brasileiro San Rodrigues como “top divulgador no mundo” da Telexfree. Em 2006, ele foi condenado justamente por montar uma pirâmide nos EUA, fechada pelas autoridades. Na conclusão, a SEC pede punição para as empresas do esquema (Telexfree no Brasil e nos Estados Unidos) e a sete brasileiros e americanos, entre eles o diretor e sócio Carlos Costa, que costuma divulgar vídeos em defesa do negócio.

Fonte :JC.

Giovanni Sandes

0 comentários:

Postar um comentário